Conversa com Thomaz

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023

PRF aposenta agente que fazia campanha para Bolsonaro

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) concedeu aposentadoria voluntária ao ex-diretor-geral da instituição, Silvinei Vasques. A decisão foi publicada nesta sexta-feira (23) no Diário Oficial da União e garante a aposentadoria “com proventos integrais e paridade correspondentes ao subsídio do cargo efetivo”. Quando voluntária, a transferência para o quadro de inativos é feita a pedido do servidor.

Na última terça-feira (20), Vasques foi exonerado da função de comando da PRF pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PL). A demissão aconteceu em meio a polêmicas envolvendo seu nome no atual governo. Ele é réu por improbidade administrativa em uma ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF) e aceita pelo juiz José Arthur Diniz Borges, da 8ª Vara Federal do Rio de Janeiro, em 15 de novembro

Na ocasião, o MPF alegou que o então diretor da PRF fez uso indevido do cargo. Entre os exemplos, citou o pedido de votos para Bolsonaro em uma rede social. O atual mandatário foi derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que tomará posse em 1º de janeiro. A PRF comentou o caso e disse que “acompanhava com naturalidade” a citação de Vasques.

Vasques também é alvo de inquérito aberto pela Polícia Federal (PF) para investigar a realização de blitz da PRF no dia do segundo turno da eleição. Na época, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, proibiu os bloqueios pelos policiais federais. A ordem, no entanto, foi descumprida e, de acordo com relatos em redes sociais, atrasou a chegada de eleitores nas urnas, especialmente na região Nordeste. A PRF justificou a blitz alegando que fiscalizou questões técnicas dos veículos, como condições de pneus.

Leia mais: http://otempo.com.br

Imagem: PRF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.