“Kit Covid” de Manaus no Tribunal Internacional por Crime contra a Humanidade

Por: Cassandra Castro e Marcela Leiros – Da Cenarium

O ex-ministro da Justiça e jurista conhecido mundialmente Miguel Reale Júnior defende que os experimentos científicos aplicados em Manaus com o “Kit Covid” devam ser levados para julgamento no Tribunal de Justiça Internacional e apontou “crime contra a humanidade”.

O “kit” – formado por medicamentos sem comprovação científica para Covid – teve a aplicação iniciada em janeiro, na gestão do ex-ministro Eduardo Pazuello, com o apoio do prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), aliado do presidente Jair Bolsonaro. A Prefeitura de Manaus foi procurada pela CENARIUM para se pronunciar sobre o assunto, mas não respondeu.

Reale Júnior liderou um grupo de juristas que encaminhou à CPI da Covid um parecer com mais de 200 páginas atribuindo ao presidente Jair Bolsonaro sete crimes. No documento eles citam crimes contra a saúde pública, como charlatanismo e infração de medida sanitária e epidêmica; contra a administração pública, no caso, a prevaricação; incitação ao crime por ações contra a paz pública; e contra a humanidade, assim como crime de responsabilidade.

Manaus foi experimento pseudocientífico (..) Esse é um crime contra a humanidade porque foi feito no momento trágico de crescimento vertiginoso da contaminação, da disseminação do vírus, dos hospitais lotados, das UTIs sem possibilidade de receber mais ninguém, com falta de oxigênio”.

Reale Júnior

E continua o jurista: “No meio dessa tragédia toda você vai fazer experimento do aplicativo TrateCov como forma de administrar cloroquina, que em janeiro deste ano a cloroquina estava definitivamente eliminada de qualquer reconhecimento científico, de qualquer efeito que não fossem negativos colaterais, cardiológicos e de visão”.

No relatório à CPI da Covid, o ex-ministro da Justiça pontuou o lançamento do aplicativo Tratecov, feito na capital amazonense em janeiro deste ano.

A ferramenta, conforme concluiu o Tribunal de Contas da União (TCU), prescrevia automaticamente o chamado tratamento precoce – ou “Kit Covid”, formado por hidroxicloroquina, ivermectina e vitaminas – e foi planejado para funcionar de modo a identificar associação de quaisquer dos sintomas como “Provável diagnóstico de Covid-19”.

Leia mais: http://revistacenarium.com

Imagem: arte de Guilherme Oliveira/Cenarium

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *