Conversa com Thomaz

sexta-feira, 12 de julho de 2024

Refugiados venezuelanos podem contribuir para desenvolvimento do país

(Imagem: Marcelo Camargo / Agência Brasil)

Fonte: Agência Brasil

Os venezuelanos que buscam refúgio no Brasil, deixando seu país devido à instabilidade política e à crise econômica, podem oferecer importante contribuição para o desenvolvimento brasileiro. Além dos aspectos culturais e políticos, eles podem atuar com mão de obra especializada em vários setores ou abrir seus próprios negócios.

A conclusão é de um grupo de pesquisadores ligados à Universidade de Brasília (UnB). Com o apoio da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) e da delegação da União Europeia no Brasil, eles analisaram o perfil de alguns refugiados e imigrantes venezuelanos que conseguiram abrir seus próprios negócios no Brasil.

É o caso da terapeuta ocupacional Yilmary de Perdomo, 38 anos. Em 2016, ela e o marido decidiram se mudar para o Brasil, junto com os filhos. Especialista em educação inclusiva e em ergonomia industrial, Yilmary conta que não conseguiu validar o diploma venezuelano e, portanto, não arranjava emprego em sua área de atuação.

“Como eu tinha que ajudar meu marido a levar o sustento para casa, comecei a vender café da manhã na rua. Assim surgiu a ideia de criar alguma coisa minha”, conta Yilmary, explicando que muitos de seus primeiros fregueses tinham curiosidade sobre a culinária venezuelana, o que a motivou a se reinventar e apostar na gastronomia. A terapeuta procurou aperfeiçoar os conhecimentos culinários, ao mesmo tempo em que começou a aprender um pouco sobre a legislação brasileira.

“Comecei a pesquisar como abrir um negócio no Brasil – o que não é nada fácil. E a pesquisar o que era necessário para ter um CNPJ. Aos poucos, comecei a fazer eventos, participar de atividades gastronômicas e, hoje, tenho meu próprio negócio”, acrescentou, orgulhosa, a dona de uma barraca de comidas típicas, a Tentaciones da Venezuela, em São Caetano do Sul.

A pesquisa, que está sendo divulgada hoje (23), mostra que a maioria dos entrevistados já tinha administrado seu próprio negócio antes de deixar a Venezuela. Apesar disso, boa parte deles revelou que, assim como Yilmary, enfrentou algum tipo de dificuldade para se adaptar ao novo contexto. Em muitos casos, isso os motivou, ou mesmo os forçou a partir para atividades diferentes daquelas com que já estavam habituados. Para os pesquisadores, essas iniciativas demonstram percepção estratégica e senso de oportunidade, qualidades importantes no mundo dos negócios.

As entrevistas com os empreendedores venezuelanos foram feitas ao longo de 2019, em Boa Vista e em São Paulo. A capital de Roraima foi escolhida por ser a cidade brasileira que concentra o maior número de pessoas procedentes do país vizinho, e a capital paulista por ser o principal destino dos venezuelanos que deixam Boa Vista com destino a outras partes do território brasileiro.

Leia mais: https://agenciabrasil.ebc.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *